Pular para o conteúdo principal

Minha II Guerra Mundial é pessoal.

Esse poema foi a primeira vez que apostaram em mim. Que quiseram me publicar. Ele significa bastante. O bastante. Eu tinha treze anos e foi provavelmente a primeira publicação que saiu da gaveta.

MINHA II GUERRA MUNDIAL É PESSOAL

Acordar em 1938 em meio a um turbilhão de flores com cores
Flores que perdi na Guerra em meio as dores
A tristeza matinal do soldado que voa com os eternos beija-flores
Os beija-flores que em ti encontrei, que em ti perdi
Acordar em meio a uma Guerra,
Soldados lutando pelos seus amores perdidos no canhão, na multidão

Dormir para escapar dessas paredes de cérebro
Que me torturava e me matava mais que o cruel inimigo
Eu era a cópia do soldado mortou ou viria a ser
Eu não era o mocinho nem o vilão, era um soldado infiltrado na multidão

De repente acordo nesse turbilhão de dores sem cores
Depois de 1945 o Mundo nunca mais foi o mesmo
Não é do Mundo que sinto falta, são das flores que não posso proteger
Agora eu era soldado, mas não sabia depois
Talvez caçarei borboletas... Eu vivia uma II Guerra Mundial contra mim mesmo.
Talvez eu tenha sido um mártir anônimo...
Tempos penosos... O desejo e a habiblidade de viver - não a capacidade

Uma vez que eu levei uns socos
Descobri que eu não era feito de vidro.
Você não se sente vivo a não ser que esteja dando tudo de si, de mim.

Agora, que minha voz perdeu o som da razão, eu tenho sede
Tenho sede de verde no meio desse cinza de fumaça
Que por mais que eu cave no ar com as mãos, não tem fim

Minha sede não é de água
Não sei do que é minha sede
Mas sei o do que não é, é de não-guerra

E o inimigo tinha mãe, tinha irmã, tinha cachorro, tinha desejo
Tinha desejo, tinha tristeza, tinha certezas
Eu e o inimigo éramos iguais apesar dos uniformes
Éramos iguais apesar de agora sermos diformes.

A guerra acabou... Rolem os créditos!
Um soldado, um vilão, um inimigo, eu perdi a mim mesmo no soar do canhão do batalhão
A procura de flores, amores, cores, menos horrores...


Não sei ela jamais irá ler isso, mas gostaria de agradecer a Professora Ana Pimentel. Eu sinto que quando chamo alguém de professor quero dizer muito além disso. Não é só uma palavra, é uma palavra que vem em forma de admiração e agradecimento cada vez que é dita. Obrigada por ter tido um pouquinho de fé em mim, hoje em dia escrevo porque naquela época soube que gostariam de ler o que eu tinha dentro da gaveta. Um abraço à Professora Aurilene, que tem o sobrenome Luz e iluminava uma sala inteira. Vocês foram grandes professoras, grandes mestres, daqueles que incentivam e quando nós vemos, já estamos muito além da onde imaginamos estar. E um priviet e um spasibo para a professora Galina Archaedviena, que quis me escutar sobre Dostoiévski, Tolstói, Turgenev, quando eu tinha essa placa de brasileira na cara e ela dizia que eu me interessava mais e escrevia mais que os russos, um spasibo ogromnoe. Eu não posso dizer exatamente o que aprendi na escola, mas posso contar sobre uma coisa ou outra. Obrigada, professoras.

Isso é enquanto eu enrolo você e não publico a quarta publicação do Pão-com-açúcar. Mas irei me redimir, pois acredite, Domingo a publicação será da extensão do Daqui até o Lá de Acolá. O final já está escrito na minha cabeça. Eu vi tudo. Agora eu preciso de tempo, o espaço para as palavras já há. Domingo, repito, domingo. Caso não, eu estarei falhando comigo. E eu odeio fazer isso. Prefiro que os outros tomem este papel. Pontuo.

Comentários

Nane disse…
Adorei o texto e a quantidade de ideias que ele revela.
Parabéns.
Quando vc falou de professores eu lembrei da minha professora da 6°serie. Ela é um referencial!

Postagens mais visitadas deste blog

We are chimeras

This journey is over. That was a great chunk of my life. I have rented a garage and left a bunch of stuff behind. I shall come back to retrieve it, but will I want it all back, when I reopen those boxes, will I still need them? So I thought about this, and these are the transcripts of my thoughts:

I first step foot on this land as a teenager who denied the existence of the Home. The world was bound to be the Home, and I knew it, even then. I have always suffered from chronic curiosity.

We felt everything, we knew nothing, we toasted and danced, we slept on couches and had neck-pain the other day. I was present and took part in weddings, police investigations, births, fires, carbon monoxide poisoning and car accidents. I left my appendix here, I ran through the streets of a cold winter to catch an ambulance before they left to help a friend, I didn’t think about slipping on the ice and dying, not a single moment. I developed a nail polish habit, a skin care routine and depression as …

RIANNE (eu,ich, ja, I, yo), A COLONIZADORA.

Toda criança normal tem como lembrança normal algum parque ou algo extremamente colorido. A primeira lembrança que eu tenho é de um corredor de hotel, uma janela no fim. Depois... Perguntaram-me em New Jersey se o que eu falava era brasileiro ou espanhol, peguei a bicicleta, achei graça e ralei o joelho - não exatamente nessa ordem, mas nada que me impedisse de ir comprar comida chinesa em caixinha do outro lado da rua, eu sempre kept the creeps quanto à vendedora, ela era alta demais pra uma chinesa.
Foi nessa época que criei um certo trauma em relação a indianos, o acento indiano é um negócio a se discutir - parei de comer dunkin donuts. Era uma máfia, em todo Dunkin Donut e posto de gasolina só se trabalhava indiano.
Admito que só fazia ESL pra perder aula, mas o mundo inteiro precisava sentar em um teatro e ver a cara da Miss Rudek, quando eu, o Hupert (chinês), e a Katrina (mexicana) passamos a ser crianças sem línguas maternas: Havíamos aprendido duas ao mesmo tempo, com um empurr…

Формула хорошего врача

“Не ищите ответов”, - сказал он четко. Однако мне потребовалось несколько лет, чтобы понять эту фразу. Её произнёс профессор Философии и пациент отделения кардиологии. “Умейте задавать себе правильные вопросы”. Я на него смотрела и донца не могла понять смысл сказанного. В тот момент мне хотелось лишь выспаться, но с того дня я «допрашивала» себя чаще: зачем я год за годом, отдаю медицине лучшие годы своей жизни? И так уже шесть лет. Мы скоро, буквально через пару месяцев, будем врачами. Что же мне необходимо, какие профессиональные и человеческие качества я должна развивать, чтобы допустить себя к людям в худший момент их жизни? Оказывается, есть многое за пределами учебников. Задавая себе все время вопросы, я понимаю, что приближаюсь ближе и ближе к ответу. Дифференциальный диагноз, интерпретация анализов, написание истории болезней, правильно собранный анамнез — это те термины, которые мы слышим каждый день, которые мы за шесть лет должны уметь применять в пользу пациента. Дост…