domingo, 16 de agosto de 2009

Logo

Querendo embarcar logo. Eu falo do "logo" de quem tem sede. Faltam quatro dias, não sei exatamente se eu deveria estar ansiosa, acho que não mais, agora eu só tenho pressa por alguma coisa que eu só descubro quando a pressa acabar. Viver nos próprios sapatos é mais complicado que se pode imaginar, ter uma vida regulada e aparada pelos pais é muito conveniente, acontece que temos pés, que são dois, e a independência é uma conseqüência de se estar vivo. Tenho conhecida gente realmente notável por aqui... Italianos, espanhóis, lituanos, canadenses, chilenos, americanos e tenho experimentado esse sentimeneto de satisfação e plenitude que eu não tenho tido desde Burlington, não sei se me culpo por não ter tido isso em Fortaleza ou se me glorifico por ter voltado à linha do trem que me leva aonde eu quero. Tenho tido alguns perrengues, e que não seja surpresa, eles existem em qualquer lugar do mundo, mas mais alegrias, em todas as línguas que se pode imaginar. Eu criei essa rotina e essa necessidade de organização que se cria quando se vive dos próprios sapatos, pode até parecer pouco tempo que eu estou vivendo essa vida que eu escolhi, mas eu não falo de números ou espaço de tempo, eu falo de intensidade. Vi Benjamin Button hoje, finalmente... E Vicky Cristina Barcelona também, ambos os filmes com mensagens importantíssimas, ouso dizer essenciais. Pensamento aleotório: achar-se pleno em estado de espírito é só uma questão de ponto de vista, e no meu caso o que é de muita importância é de onde eu tenho esse ponto de vista, e os lugares que eu tenho visto, vido, vivido e morado ainda não foram suficientes em todos os pontos, talvez eu nunca ache isso, talvez eu tenha que juntar partes de todos, mas de qualquer forma eu tenho a impressão que se viver é uma questão de ponto de vista, eu estou indo pra um lugar sem pontos cegos logo e só essa idéia me mata um pouco da sede.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

A saudade fresca



Quando eu era menor eu sentia esse cheiro de vez em quando, era um cheiro sem cheiro, algo limpo, puro. Os intervalos entre um cheiro e outro eram cada vez menores, eu estava provavelmente embreagada dessa coisa que me animava. E o tempo que é o tempo, fez o tempo passar e o cheiro foi se tornando cada vez menor, até que um dia em Burlington eu voltei a senti-lo, era quase como me deixar acessar tudo o que eu deixara pra trás já com nove anos. Eu tenho sido uma mestre em despedidas, se alguém me perguntar, desde os nove anos, por aí, e eu lembro de ter chorado no telefone falando com a minha avó, querendo ir pro Brasil, foi estranho, eu sempre fui uma criança muito fechada e talvez por isso a única amiga que eu trouxe da infância foi a Carol, depois a Samantha, e eu nunca tinha chorado por ninguém, nem quando eu ralava o joelho do jeito como as crianças fazem, e o metiolate ainda ardia. Então eu estou aqui em São Paulo, amando muito essa cidade, que me lembra qualquer lugar que eu imaginei que seria bom pra morar, quando eu achava que só os lugares bastavam, mas hoje eu sei bem que é complicado se as pessoas certas não estiverem por perto... De qualquer forma, eu estou aqui em São Paulo e eu sinto aquele cheiro que eu não sentia há tempo tempo, e não é só isso, vinham acontecendo coisas estranhas por esses dias, e eu que sou ávida por simbolismos não deixei passarem despercebidas: ao arrumar meu quarto eu achei coisas que eu jurava que tinham sido perdidas nesses buracos negros que aparecem quando a gente se muda, eu achei um dente de leite, uma concha de mar com uma bandeira do Brasil pintada que eu fiz com nove anos. Não sei, mas pra mim isso significa muito, ou simplesmente - alguma coisa. Eu... bem, eu não sei porque, mas talvez seja o cheiro fresco da saudade, é um cheiro tão límpido que eu não sei descrever, talvez seja o abstrato tomando forma...

Muita coisa se passando pela minha cabeça agora. Mesmo...

Ontem fui ao consulado russo, tudo certo. Conheci um italiano e duas espanholas, e eu sempre fico muito surpresa como eles são mais simpáticos que qualquer brasileiro, aliás eu sempre defendi muito que estrangeiro, ao contrário do que diz a crença popular, são muito mais amigáveis do que a gente acha. O que eu quero dizer é que pelo menos eu espero encontrar pessoas como eles, como todo mundo de Fortaleza pra onde eu tou indo, eu espero que pessoas especiais seja um padrão em todo lugar do mundo... Senão seria um lugar realmente chato.

Fuck, eu quase morri quando saí do avião em Campinas, a merda da turbina tratou de fazer um vento @#*(&(*$&)&*@ glacial de tremer os queixos, sério, fuck fuck fuck. Acho que os hematomas tão saindo também, e vamos fingir que eu nunca fiz a cirurgia dos sisos e ir pra frente.

Vendo as fotos do meu último dia em Fortaleza realmente me faz chorar, mas de felicidade, não acredito que eu conheça tanta gente essencial. Eu lembro que o Levi perguntou do que eu ia sentir mais falta, e eu disse "vocês", e a lista acabou por aí, e eu pensei, "querida, por que eu não posso encolher as crianças e levar para o outro lado do mundo?". Mas era só eu e o meu egoísmo.

Enquanto eu ia caminhando pelo corredor para entrar no avião, algo me veio a mente e eu escrevi isso assim que eu sentei na minha poltrona, a Senhora 6A.

At some point
my walking became soundless
echo was a perfect sound
And I finally landed my feet in eternity
or just some place I was meant to
Maybe I lost it
but the road is big
and I feel like winning
every trail, every curve,
every smile
At some point I had to
let myself
get loose.

Eu tenho tanto pra escrever que eu não consigo organizar as idéias direito. Não falei que ontem conheci mais outros dois canadenses e uma mulehr que esqueci de perguntar da onde era, eles podem não saber mas saber que o mundo é cheio de gente tão interessante me faz pensar que isso vale a pena, apesar de eu já sentir muita falta de todo mundo, de ficar lembrando dos nossos tédios, risadas, porres, baladas ruins, baladas boas, inside jokes, eu passei da idade de só rir dessas coisas, eu tenho chorado de felicidade.

Quando eu conheci o italiano, uma vez que você não tem mais nacionalidade definida, ao invés de se dizer "oi, tudo bem", acaba-se dizendo "hey, where are you from?", e ele me perguntou isso e eu disse "Well, it's complicated", e nacionalidade tem se tornado uma coisa mais e mais relativa, especialmente porque é o terceiro país que eu vou tomar como casa, além de outros que eu vejo muito de mim, acho de depois de um tempo que se convive consigo mesmo, acaba-se por se tornar um retalho de todas as coisas boas que a gente vê por aí, dos lugares, das pessoas que a gente conhece, e são histórias loucas, especialmente a dos backpackers daqui, eles têm rodado o mundo sem pausa, sem medo, receio, e têm só uma mochila que cabe tudo que eles precisam pra cruzar a próxima fronteira. Vocês ficariam surpresos.

Outra, morar só é uma coisa complicada, também, eu percebi isso de ontem pra hoje. É muito conveniente chegar em casa meio-dia e ter almoço feito, mas quando você está vivendo das próprias botas então cozinhar se torna algo penoso, e eu finalmente entendo porque as comidas prontas têm perpetuado a nossa espécie. É preciso se organizar, estabelecer horários e rotinas, senão acaba-se vivendo de turista por muito tempo e acho que uma hora, o mais cedo possível, é preciso fixar os pés em algum lugar. Comprei um monte de comida pronta aqui, só de olhar pra panela me dá uma preguiça, por isso eu acho que seria uma boa casar com um chef. Enfim.

Vou sair agora para comprar um microfone e encher a cabeça de alguma coisa, não importa, pra qualquer lugar que eu olhe em São Paulo há sempre informação o suficiente pra me afastar um pouco da grande idéia de que próxima semana eu estou indo pra Moscou.

E descobri que tenho que ler mais Tolstoi, creio que isso não vá ser um problema, uma vez que se está na Rússia.

"Que a felicidade seja inevitável", eu tou levando isso pro outro lado do mundo... Com ou sem excesso de bagagem.

Tudo bem, a cidade é grande, há de me distrair, ponto.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Coisas que pessoas brancas fazem

Em 2006 eu comprei esse moleskine em Lucena e por um tempo eu escrevia todo dia nele, mas algo aconteceu e ele se misturou na estante de livros. Retornei a escrever nele, mas me diverti horrivelmente lendo as outras entradas, algo entre "Jânio Quadros era um louco que achava que era Jânio Quadros", um perfil psicológico de Hitler e Alex Delarge, uma carta a mim mesma falando de ambições e sonhos (que mudaram completamente), uma tentativa de entender a cultura baiana, um desenho do Big Ben e da Torre Eiffel (feitos com o modelo real), até o dia que eu descobri Destoiévski e desabafos de caligrafia ruim.

Há uns dias atrás eu dei uma entrada que se chamou "Living is easy, leaving is harder", e o tanto é tanto que mesmo com uma puta dor por causa da extração dos sisos, essa coisa toda de pegar um vôo de 20 horas latejou mais que a Sra. Dor de Siso, e acredite, é uma senhora gorda e banguela que cria pássaros e fala oito línguas, algo que supere isso é muito, e muito é demais.

Eu podia descrever aqui em detalhes como é agradável a recuperação de tirar os sisos, sim, eu poderia fazer um belo conto de horror (para a Babi), mas eu tenho tido esses sentimentos de auto-preservação e ficamos por aqui.

"LIVING IS EASY, LEAVING IS HARDER 28/07/09
- goodbye that shapes itself

Agasalhando meus livros-filhos para a guerra, apaziguando o sentimento que parece mais uma canja de qualquer coisa. O quarto sem eles não parece mais meu, muito vazio de mim, o que é alguém senão um número finito de idéias e páginas de livros diversos... Quem habitou aqui não acha que pertença mais a si mesma, por isso escolhe a estrada, a mais perfeita prosopopéia da liberdade. Mas olhe BEM, tive os melhores abraços, não os menosprezo, acessos-os mentalmente, mas o espaço aqui tornou-se muito pequeno, vou ter que deixá-lo. AQUI jaz quem teve tudo e quis sempre mais, pela alegria imediata do coração e as novas emoções, com os pulsos fechados carregou duas malas e repetiu consigo mesma: é o que se leva, é o que se leva... E foi confirmar o tamanho do MUNDO, porque de onde estava ele parecia estar ENCOLHENDO, e a culpa é dos olhos, há de haver utilidade para os olhos, que são DOIS. Eu tenho um vôo de 20 horas, são 20 horas sem os pés no chão, e eu poderia ser esse tipo de pessoa estável com os PÉS NO CHÃO, mas eu quero voar VINTE HORAS. É tudo tão necessário. "


O Kensou me deu o livro daquele filme "Into the Wild" e se por acaso eu desaparecer por 6 meses, não se assustem.

Além de ter moleskines, pessoas brancas também fazem essas viagens de auto-descobertas. (blog: stuff white people like)

Amanhã, todos aqui, pedirei Habibs e direi tchau um pouco antes das 2am para pegar meu vôo pra SP. As minhas bochechas que transitaram entre Fofão, hamster, balão de hélio agora prometem uma aparência normal para amanhã a noite.

This is it, Joely.

domingo, 9 de agosto de 2009

Os amigos, os sorrisos



Não está acabada a montagem, mas eu tinha que postar agora só pra constar que eu tenho os melhores amigos do mundo.

Incrível, não? Colecionar os melhores sorrisos e levá-los para cruzar o Atlãntico...

Os passos que eu andei até o embarque depois de me despedir do meu tio, da minha avó e do meu avô foi a estrada mais longa que eu andei, foi densa, pesada, e eu os olhei atentamente pela janela, e entendendo porque era tão difícil dizer tchau, diante de tanto amor.

Quarta-feira, 2am, aeroporto...

Home is where your heart is, and if the world is big, split it up.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

domingo, 2 de agosto de 2009

To-do

1) Acabar de arrumar meus livros
2) Fazer a mala
3) Ir ao cabeleireiro
4) Comprar um sanduíche gigante para a minha despedida
5) Tirar os cisos
6) Comprar um livro de fotografia do Brasil
7) Comprar presentes
8) Comprar câmera nova

Quem não for à minha despedida vai ler uma surra bem russa.