Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2009

Logo

Querendo embarcar logo. Eu falo do "logo" de quem tem sede. Faltam quatro dias, não sei exatamente se eu deveria estar ansiosa, acho que não mais, agora eu só tenho pressa por alguma coisa que eu só descubro quando a pressa acabar. Viver nos próprios sapatos é mais complicado que se pode imaginar, ter uma vida regulada e aparada pelos pais é muito conveniente, acontece que temos pés, que são dois, e a independência é uma conseqüência de se estar vivo. Tenho conhecida gente realmente notável por aqui... Italianos, espanhóis, lituanos, canadenses, chilenos, americanos e tenho experimentado esse sentimeneto de satisfação e plenitude que eu não tenho tido desde Burlington, não sei se me culpo por não ter tido isso em Fortaleza ou se me glorifico por ter voltado à linha do trem que me leva aonde eu quero. Tenho tido alguns perrengues, e que não seja surpresa, eles existem em qualquer lugar do mundo, mas mais alegrias, em todas as línguas que se pode imaginar. Eu criei essa rotina…

A saudade fresca

Quando eu era menor eu sentia esse cheiro de vez em quando, era um cheiro sem cheiro, algo limpo, puro. Os intervalos entre um cheiro e outro eram cada vez menores, eu estava provavelmente embreagada dessa coisa que me animava. E o tempo que é o tempo, fez o tempo passar e o cheiro foi se tornando cada vez menor, até que um dia em Burlington eu voltei a senti-lo, era quase como me deixar acessar tudo o que eu deixara pra trás já com nove anos. Eu tenho sido uma mestre em despedidas, se alguém me perguntar, desde os nove anos, por aí, e eu lembro de ter chorado no telefone falando com a minha avó, querendo ir pro Brasil, foi estranho, eu sempre fui uma criança muito fechada e talvez por isso a única amiga que eu trouxe da infância foi a Carol, depois a Samantha, e eu nunca tinha chorado por ninguém, nem quando eu ralava o joelho do jeito como as crianças fazem, e o metiolate ainda ardia. Então eu estou aqui em São Paulo, amando muito essa cidade, que me lembra qualquer lugar que eu ima…

Coisas que pessoas brancas fazem

Em 2006 eu comprei esse moleskine em Lucena e por um tempo eu escrevia todo dia nele, mas algo aconteceu e ele se misturou na estante de livros. Retornei a escrever nele, mas me diverti horrivelmente lendo as outras entradas, algo entre "Jânio Quadros era um louco que achava que era Jânio Quadros", um perfil psicológico de Hitler e Alex Delarge, uma carta a mim mesma falando de ambições e sonhos (que mudaram completamente), uma tentativa de entender a cultura baiana, um desenho do Big Ben e da Torre Eiffel (feitos com o modelo real), até o dia que eu descobri Destoiévski e desabafos de caligrafia ruim.

Há uns dias atrás eu dei uma entrada que se chamou "Living is easy, leaving is harder", e o tanto é tanto que mesmo com uma puta dor por causa da extração dos sisos, essa coisa toda de pegar um vôo de 20 horas latejou mais que a Sra. Dor de Siso, e acredite, é uma senhora gorda e banguela que cria pássaros e fala oito línguas, algo que supere isso é muito, e muito é d…

Os amigos, os sorrisos

Não está acabada a montagem, mas eu tinha que postar agora só pra constar que eu tenho os melhores amigos do mundo.

Incrível, não? Colecionar os melhores sorrisos e levá-los para cruzar o Atlãntico...

Os passos que eu andei até o embarque depois de me despedir do meu tio, da minha avó e do meu avô foi a estrada mais longa que eu andei, foi densa, pesada, e eu os olhei atentamente pela janela, e entendendo porque era tão difícil dizer tchau, diante de tanto amor.

Quarta-feira, 2am, aeroporto...

Home is where your heart is, and if the world is big, split it up.

Convite

To-do

1) Acabar de arrumar meus livros
2) Fazer a mala
3) Ir ao cabeleireiro
4) Comprar um sanduíche gigante para a minha despedida
5) Tirar os cisos
6) Comprar um livro de fotografia do Brasil
7) Comprar presentes
8) Comprar câmera nova

Quem não for à minha despedida vai ler uma surra bem russa.