sexta-feira, 1 de abril de 2016

Ar e garra

Respirei os teus sonhos
Vivi pela metade
Guardei ar e garra
Para quando valesse a pena respirar
Quis te falar o concreto
Não me serviam as formulas
Não me saiam as palavras
Não me saia mais nada
Vivi só por viver
Senti a tua falta
Pintei quadros só para renovar minhas memórias de ti
Me distrai
Esqueci
Puxei ar
E o teu cheiro já não me impedia de respirar
Valia a pena
Sem você
Valia a pena até as duas metades.
Vivi com ar e garra
Pois não vivo de você
Vivo de pulmões
do que é meu
do que eu quero que seja meu
Inalo o que me estratifica em dezenas de camadas
E me remonto ao expirar
E me remonto ao inalar
Me remonto pelo simples prazer
de de novo me realinhar