Pular para o conteúdo principal

A festa é de Jesus mas vim de penetra

Há um ano atrás estávamos em Kamensk-uralskiy, uma cidadezinha russa próxima aos Montes Urais, faríamos estes snowboards de papelão com uma sacola em volta nessa descida ridicularmente infinita, lembro de sentar lá no fim daquela montanha de neve e pensar que isso é felicidade, e quando eu despensei, já não era mais, um momento e já foi. Nós cantávamos canções de Natal em pelo menos cinco línguas diferentes, e ninguém nunca mencionou Jesus, ali éramos nós, usando a desculpa do feriado. Nós jantamos ao ar livre quando fazia cerca de -20 lá fora, comíamos rápido o suficiente para tudo não virar uma pedra de gelo, ao mesmo tempo que corríamos para a fogueira que tínhamos feito. Eu posso lembrar de cada detalhe, do karaokê horrível, do espelhinho do banheiro. Um ano depois, em solo cearense, estou caminhando pela Beira-mar, quando resolvo que tenho que entrar por essa ruazinha, para ter certeza que eu tive o suficiente de um dos meus bairros de infância antes de partir, antes que eu vá e nada pareça o mesmo. A rua dava para o fundo do meu supermercado favorito, e na esquina abandonada, mal iluminada, e por que diabos estou aqui, vejo um homem corcunda carregando uma sacola, passando bem na minha frente. Parei e comecei a rir, do jeito como a vida abusa do sarcasmo, e duas vezes essa semana. O homem era o mesmo que tentara me assaltar quando eu tinha quatorze anos na Avenida Abolição, enquanto eu gritava "sái!" e saia correndo de volta para a Beira-mar. Não é como se eu fosse acordar um dia e simplesmente aceitar que eu vá ser assaltada, por isso, sem baixas aquele dia, apenas uns rushs de adrenalina e cenas muito rápidas. Há uns dias atrás, vagando com a Maísa, eu disse que tal sairmos daqui e irmos para o Del Paseo, e lá sentamos, discutimos o que é ser circular, a simbologia de escolher um biscoito, o futuro, o passada, a bagagem. E de repente, Taiane, a terceira parte de nos, simplesmente aparecendo, depois de cinco anos, reunidas, pelo acaso. Depois foi algo entre comprarmos sapatos e pedir para o vendedor tirar uma foto, pelo registro. Não me importo e não diminuo nem aumento ninguém, mas encontros casuais são os meus favoritos, seja com assaltantes ou amigos de longa data. E ultimamente Fortaleza tem estado bem propícia, tendo vida própria. Gosto muito da noite aqui. I do. E talvez eu tenha cansado sim de sempre ser passageira, sempre estar chegando, sempre estar indo embora. Mas talvez eu também não conheça outro tipo de vida. Não consigo pôr em um quadro o que é viver na mesma cidade a vida inteira, falar a mesma língua a vida inteira. É por isso que os meus encontros casuais se estendem a uma geografia ultra-mar. A Dolly está dormindo aqui, e eu não tenho nenhum conhecimento transcendental para dividir, por isso, pontuo, e um Feliz Capitalismo para todos, pelas luzinhas, pelos presentes, pelos jantares, e me desculpem, sei que a festa é de Jesus, mas vou de penetra mesmo.

(E quando as lembranças estiverem longe demais, quando Kamensk estiver longe demais, estará simplesmente longe ou já terá se tornado parte integrante de mim?)

(E eu que prometi publicação oficial até o fim do ano? Esqueçam isso. Tive um breakthrough e agora o buraco é mais embaixo, o tempo é meu, deixa que eu me resolvo com ele, também não tenho planos para morrer, então.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Metódica

Eu ri bastante quando entrei no Stuff White People Like e tinha um post sobre moleskines, que por acaso eu tenho, comprado na Suiça sem motivo algum, acho que porque já tinha ouvido falar sobre o valor histórico que eles tinham e como Modigliani tinha um. É realmente útil e lá eu congelei algumas idéias fixas, desenhei o Big Ben, a Torre Eiffel, tentei descrever coisas indiscritíveis mas de alguma forma, um dia o guardei na minha estante de livros e ele caiu no esquecimento, de forma que eu nunca mais escrevi nele.

Eu tenho esse problema que eu sou metódica, e vou logo antecipando que ser metódica não implica em ser organizada. Ser uma pessoa organizada exige um esforço, mas quando você é uma pessoa metódica não existe esforço, existe apenas o fardo, que é o esforço que se aproxima muito da obrigação, como se não existisse outra escolha. Ser metódico custa muito mais caro que ser organizado. O metódico precisa organizar os pares de meia em degradê, o organizado, precisa simplesmente o…

We are chimeras

This journey is over. That was a great chunk of my life. I have rented a garage and left a bunch of stuff behind. I shall come back to retrieve it, but will I want it all back, when I reopen those boxes, will I still need them? So I thought about this, and these are the transcripts of my thoughts:

I first step foot on this land as a teenager who denied the existence of the Home. The world was bound to be the Home, and I knew it, even then. I have always suffered from chronic curiosity.

We felt everything, we knew nothing, we toasted and danced, we slept on couches and had neck-pain the other day. I was present and took part in weddings, police investigations, births, fires, carbon monoxide poisoning and car accidents. I left my appendix here, I ran through the streets of a cold winter to catch an ambulance before they left to help a friend, I didn’t think about slipping on the ice and dying, not a single moment. I developed a nail polish habit, a skin care routine and depression as …

RIANNE (eu,ich, ja, I, yo), A COLONIZADORA.

Toda criança normal tem como lembrança normal algum parque ou algo extremamente colorido. A primeira lembrança que eu tenho é de um corredor de hotel, uma janela no fim. Depois... Perguntaram-me em New Jersey se o que eu falava era brasileiro ou espanhol, peguei a bicicleta, achei graça e ralei o joelho - não exatamente nessa ordem, mas nada que me impedisse de ir comprar comida chinesa em caixinha do outro lado da rua, eu sempre kept the creeps quanto à vendedora, ela era alta demais pra uma chinesa.
Foi nessa época que criei um certo trauma em relação a indianos, o acento indiano é um negócio a se discutir - parei de comer dunkin donuts. Era uma máfia, em todo Dunkin Donut e posto de gasolina só se trabalhava indiano.
Admito que só fazia ESL pra perder aula, mas o mundo inteiro precisava sentar em um teatro e ver a cara da Miss Rudek, quando eu, o Hupert (chinês), e a Katrina (mexicana) passamos a ser crianças sem línguas maternas: Havíamos aprendido duas ao mesmo tempo, com um empurr…