Pular para o conteúdo principal

A vassoura tá no armarinho, Obama.

"[...]

Foram duas aulas seguidas do Nonato, ele falou sobre a crise, o inédito déficit econômico do Brasil em sete anos ou mais, e eu fiquei pensando em como todo mundo pôs a corda no pescoço, nós, sendo engolidos pelo próprio sistema capitalista neoliberal. Em pensar que foram relativos trinta anos mundiais de prosperidade, oh, chegamos a um fim. O que me faz achar esse tipo de poder muito patético e me faz pensar sobre as épocas em que o poder obedecia a outras variáveis, a nobreza do sangue, ao tamanho de um exército, à quantidade de terras... Devia ser mais fácil sobreviver, devia ser fácil controlar, tudo o que nós temos agora é o Barak Obama tentando salvar o mundo. Você está pensando o que eu estou pensando, Pinky? Sim, Obama! Vamos dominar o mundo. Bem, boa sorte, não conte comigo, a minha vida não mudou em absolutamente nada, tudo são flores, quanto ao outro lado do muro, esse eu só vejo no jornal e nas aulas do Nonato. Eu vou sempre me preocupar mais como o meu cabelo está do que com o sistema financeiro mundial. You made your mess, clean it up, bitch.

[...]

Veio o recreio e eu fui curtir o meu tempo com o Buk, a biblioteca finalmente abriu, eu peguei alguns livros que vou levar amanhã, entre eles O cortiço e um de Matrizes, de Matemática, o sistema ainda não estava no ar por isso não se estava alugando livros. Eu amo bibliotecas. Definitivamente. A Letícia gastou uns minutos discutindo qualquer coisa com a Suellen, a bibliotecária e eu fiquei imersa no Bukowski, grifando, grifando e grifando

[...]"

Um trecho bem censurado do meu diário que eu chamo carinhosamente de Saco de Vômito. Aí algumas coisas que eu grifei do Buk:


" Tente se sentir melhor, o mundo inteiro é um saco de merda rasgando. Não posso salvá-lo "

" Às vezes me sinto como se estivéssemos todos presos num filme. Sabemos nossas falas, onde caminhar, como atuar, só que não há uma câmera. No entanto, não conseguimos sair do filme. E é um filme ruim "

Engraçado que quando eu ia saindo do colégio com dois livros na mão que eu me dei conta de como meu gosto literário anda promíscuo: eu tinha Bukowski e O Cortiço na mão. Comentei isso com a Letícia, e ela chegou a seguinte conclusão:

- Tu é imoral e amoral, definitivamente.

Quem lê Bukowski nunca mais se recupera então...

Eu venho marcando os meus livros com aqueles foguetinhos que brilham no escuro que a gente prega na parede quando tem 10 anos, eu tinha um astronauta, o foguete e umas estrelas, perdi o astronauta e as estrelas e me sobrou só um foguete que me lembra diretamente, sem desvios, o Gargárin e o olhar de despedida dele.

...

É.

Imoral e amoral. E péssima.

Comentários

Margot disse…
"E é um filme ruim "

Rianne tendo um 'momento' na biblioteca e eu chego e tento ler as coisas da MÍNIMA agenda dela. Acho que faz isso de propósito.
Eu também vou me preocupar mais com outras coisas do que com o sistema financeiro mundial.
Nos chamem do que quiserem.É a pura verdade.

Postagens mais visitadas deste blog

We are chimeras

This journey is over. That was a great chunk of my life. I have rented a garage and left a bunch of stuff behind. I shall come back to retrieve it, but will I want it all back, when I reopen those boxes, will I still need them? So I thought about this, and these are the transcripts of my thoughts:

I first step foot on this land as a teenager who denied the existence of the Home. The world was bound to be the Home, and I knew it, even then. I have always suffered from chronic curiosity.

We felt everything, we knew nothing, we toasted and danced, we slept on couches and had neck-pain the other day. I was present and took part in weddings, police investigations, births, fires, carbon monoxide poisoning and car accidents. I left my appendix here, I ran through the streets of a cold winter to catch an ambulance before they left to help a friend, I didn’t think about slipping on the ice and dying, not a single moment. I developed a nail polish habit, a skin care routine and depression as …

RIANNE (eu,ich, ja, I, yo), A COLONIZADORA.

Toda criança normal tem como lembrança normal algum parque ou algo extremamente colorido. A primeira lembrança que eu tenho é de um corredor de hotel, uma janela no fim. Depois... Perguntaram-me em New Jersey se o que eu falava era brasileiro ou espanhol, peguei a bicicleta, achei graça e ralei o joelho - não exatamente nessa ordem, mas nada que me impedisse de ir comprar comida chinesa em caixinha do outro lado da rua, eu sempre kept the creeps quanto à vendedora, ela era alta demais pra uma chinesa.
Foi nessa época que criei um certo trauma em relação a indianos, o acento indiano é um negócio a se discutir - parei de comer dunkin donuts. Era uma máfia, em todo Dunkin Donut e posto de gasolina só se trabalhava indiano.
Admito que só fazia ESL pra perder aula, mas o mundo inteiro precisava sentar em um teatro e ver a cara da Miss Rudek, quando eu, o Hupert (chinês), e a Katrina (mexicana) passamos a ser crianças sem línguas maternas: Havíamos aprendido duas ao mesmo tempo, com um empurr…

Формула хорошего врача

“Не ищите ответов”, - сказал он четко. Однако мне потребовалось несколько лет, чтобы понять эту фразу. Её произнёс профессор Философии и пациент отделения кардиологии. “Умейте задавать себе правильные вопросы”. Я на него смотрела и донца не могла понять смысл сказанного. В тот момент мне хотелось лишь выспаться, но с того дня я «допрашивала» себя чаще: зачем я год за годом, отдаю медицине лучшие годы своей жизни? И так уже шесть лет. Мы скоро, буквально через пару месяцев, будем врачами. Что же мне необходимо, какие профессиональные и человеческие качества я должна развивать, чтобы допустить себя к людям в худший момент их жизни? Оказывается, есть многое за пределами учебников. Задавая себе все время вопросы, я понимаю, что приближаюсь ближе и ближе к ответу. Дифференциальный диагноз, интерпретация анализов, написание истории болезней, правильно собранный анамнез — это те термины, которые мы слышим каждый день, которые мы за шесть лет должны уметь применять в пользу пациента. Дост…