Pular para o conteúdo principal

A vassoura tá no armarinho, Obama.

"[...]

Foram duas aulas seguidas do Nonato, ele falou sobre a crise, o inédito déficit econômico do Brasil em sete anos ou mais, e eu fiquei pensando em como todo mundo pôs a corda no pescoço, nós, sendo engolidos pelo próprio sistema capitalista neoliberal. Em pensar que foram relativos trinta anos mundiais de prosperidade, oh, chegamos a um fim. O que me faz achar esse tipo de poder muito patético e me faz pensar sobre as épocas em que o poder obedecia a outras variáveis, a nobreza do sangue, ao tamanho de um exército, à quantidade de terras... Devia ser mais fácil sobreviver, devia ser fácil controlar, tudo o que nós temos agora é o Barak Obama tentando salvar o mundo. Você está pensando o que eu estou pensando, Pinky? Sim, Obama! Vamos dominar o mundo. Bem, boa sorte, não conte comigo, a minha vida não mudou em absolutamente nada, tudo são flores, quanto ao outro lado do muro, esse eu só vejo no jornal e nas aulas do Nonato. Eu vou sempre me preocupar mais como o meu cabelo está do que com o sistema financeiro mundial. You made your mess, clean it up, bitch.

[...]

Veio o recreio e eu fui curtir o meu tempo com o Buk, a biblioteca finalmente abriu, eu peguei alguns livros que vou levar amanhã, entre eles O cortiço e um de Matrizes, de Matemática, o sistema ainda não estava no ar por isso não se estava alugando livros. Eu amo bibliotecas. Definitivamente. A Letícia gastou uns minutos discutindo qualquer coisa com a Suellen, a bibliotecária e eu fiquei imersa no Bukowski, grifando, grifando e grifando

[...]"

Um trecho bem censurado do meu diário que eu chamo carinhosamente de Saco de Vômito. Aí algumas coisas que eu grifei do Buk:


" Tente se sentir melhor, o mundo inteiro é um saco de merda rasgando. Não posso salvá-lo "

" Às vezes me sinto como se estivéssemos todos presos num filme. Sabemos nossas falas, onde caminhar, como atuar, só que não há uma câmera. No entanto, não conseguimos sair do filme. E é um filme ruim "

Engraçado que quando eu ia saindo do colégio com dois livros na mão que eu me dei conta de como meu gosto literário anda promíscuo: eu tinha Bukowski e O Cortiço na mão. Comentei isso com a Letícia, e ela chegou a seguinte conclusão:

- Tu é imoral e amoral, definitivamente.

Quem lê Bukowski nunca mais se recupera então...

Eu venho marcando os meus livros com aqueles foguetinhos que brilham no escuro que a gente prega na parede quando tem 10 anos, eu tinha um astronauta, o foguete e umas estrelas, perdi o astronauta e as estrelas e me sobrou só um foguete que me lembra diretamente, sem desvios, o Gargárin e o olhar de despedida dele.

...

É.

Imoral e amoral. E péssima.

Comentários

Margot disse…
"E é um filme ruim "

Rianne tendo um 'momento' na biblioteca e eu chego e tento ler as coisas da MÍNIMA agenda dela. Acho que faz isso de propósito.
Eu também vou me preocupar mais com outras coisas do que com o sistema financeiro mundial.
Nos chamem do que quiserem.É a pura verdade.

Postagens mais visitadas deste blog

Формула хорошего врача

“Не ищите ответов”, - сказал он четко. Однако мне потребовалось несколько лет, чтобы понять эту фразу. Её произнёс профессор Философии и пациент отделения кардиологии. “Умейте задавать себе правильные вопросы”. Я на него смотрела и донца не могла понять смысл сказанного. В тот момент мне хотелось лишь выспаться, но с того дня я «допрашивала» себя чаще: зачем я год за годом, отдаю медицине лучшие годы своей жизни? И так уже шесть лет. Мы скоро, буквально через пару месяцев, будем врачами. Что же мне необходимо, какие профессиональные и человеческие качества я должна развивать, чтобы допустить себя к людям в худший момент их жизни? Оказывается, есть многое за пределами учебников. Задавая себе все время вопросы, я понимаю, что приближаюсь ближе и ближе к ответу. Дифференциальный диагноз, интерпретация анализов, написание истории болезней, правильно собранный анамнез — это те термины, которые мы слышим каждый день, которые мы за шесть лет должны уметь применять в пользу пациента. Дост…

RIANNE (eu,ich, ja, I, yo), A COLONIZADORA.

Toda criança normal tem como lembrança normal algum parque ou algo extremamente colorido. A primeira lembrança que eu tenho é de um corredor de hotel, uma janela no fim. Depois... Perguntaram-me em New Jersey se o que eu falava era brasileiro ou espanhol, peguei a bicicleta, achei graça e ralei o joelho - não exatamente nessa ordem, mas nada que me impedisse de ir comprar comida chinesa em caixinha do outro lado da rua, eu sempre kept the creeps quanto à vendedora, ela era alta demais pra uma chinesa.
Foi nessa época que criei um certo trauma em relação a indianos, o acento indiano é um negócio a se discutir - parei de comer dunkin donuts. Era uma máfia, em todo Dunkin Donut e posto de gasolina só se trabalhava indiano.
Admito que só fazia ESL pra perder aula, mas o mundo inteiro precisava sentar em um teatro e ver a cara da Miss Rudek, quando eu, o Hupert (chinês), e a Katrina (mexicana) passamos a ser crianças sem línguas maternas: Havíamos aprendido duas ao mesmo tempo, com um empurr…

Hoje joguei um tanto de coisa fora

Hoje joguei um tanto de coisas fora. Umas partes de mim que eu não queria mais. Aquelas folhas da história comidas por traças, que já não se lê, algum dia houve algo grandioso escrito aí - dos méritos, das quedas, em letra bonita, dourada.
Hoje eu joguei um tanto de coisa fora, mais porque sei exatamente do que preciso. Porque eu vivo de pessoas, não de coisas, e os primeiros – quero não muito longe, perto o suficiente.
Eu vou reciclar a minha vida inteira.
Mas vou te manter intacto, com os teus defeitos, as tuas manias, até o que me irrita, as tuas faltas de várias grandezas de caráter. Assim. Porque eu te encontrei assim: defeituoso, antes de tudo vivo, meu, eu - tua.
Hoje eu joguei um tanto de coisa fora. Hoje durmo em paz.