Pular para o conteúdo principal

Projeção de pensamentos




Eu resolvi anotar meus pensamentos por alguns minutos. No meio, a caneta falhou, mas eu gostei daquilo e peguei outra caneta. Eu fico lendo o papel tentando me analisar, porque mais do que ninguém, eu quero desesperadamente me entender. Eu sempre achei que olhando por fora das situações eu julgaria como uma terceira pessoa, um julgamento meio justo, mas a minha auto-crítica só me reserva os adjetivos que eu já conheço que cabem a mim. E eu ainda tenho todo esse kharma pra colher...

Bem, basta dizer que foi durante a aula e é o que se segue.

11/02/2009
Foi idiota acordar tarde hoje, mas foi quase como ser livre.
Essa dor nas costas parece que gosta de mim e quer ficar.
Minha senhora, eu não sei o que eu quero da vida, nem se a vida me quer.
Tenho que acabar de escrever o conto sobre a mulher que era um raio.
Eu não consigo imaginar meus professores vivendo uma vida normal. POR QUE?
Odiei as regras desse português reformulado, fui usurpada. ELES PODIAM TIRAR QUALQUER COISA DE MIM.
Eu fico imaginando o que as pessoas pensam quando me vêem na rua, é lógico que tá escrito na minha cara que eu sou uma pessoa difícil de ler. Devem me julgar errado. Não que eu deva ficar surpresa.
Been there, done that.
Eu quero um saco de box na minha sala-de-estar.
Eu queria me privar de algumas verdades. QUEBRA A MÁGICA.
Minha agenda de 2009 cabe no meu bolso, mas eu não tenho certeza se eu devo por meu endereço, since it's far away I'm heading up...
Eu sempre tô indo pra algum lugar. Eu sou um desses elementos químicos instáveis demais.
Eu tenho que pensar que as minhas escolhas são as melhores. Sempre.
Eu sinto pena da minha geração.
EU QUERO ESCAPAR.
Gales...
Professor, pare de fazer perguntas óbvios e paz mundial é uma PUTA DEMAGOGIA.
Ninguém consegue esse tipo de coisa quando há um campo de batalha dentro de cada um de nós, incessante. Não, não venha me falar sobre paz mundial, é capaz de eu vomitar. E vômito é o apse da minha sinceridade, não me leve a mal.
FUCK OFF I'M FUCKIN FREEZING.
Eu não olhei pro céu hoje. ZANGUE-SE COM O SOL.
Mas ainda é 8 da manhã, portanto... Eu tenho uma chance.
If I could just fight the gods...

Acabou a folha.
Fim de arquivo.


OBS: Aos desocupados de plantão, acessem a Wikiquote e digitem a palavra Love. Damm, faz um bem danado.

Comentários

Margot disse…
'O brasil erra muito em fazer os estudantes se matarem tanto assim, uns querendo ser melhores que os outros'
Temos um grande exemplo desse tipo de aluno no nosso dia-a-dia né.

Acho que todo mundo pensa que eu sou influenciável... Bem, só ouço as opniões das pessoas e acabo não argumentando contra nem a favor, não quero mudar o jeito que elas são. Acho que causaria uma falta de coerência comigo mesma se eu fizesse isso.

Enfim ao seu post :)
"Minha senhora, eu não sei o que eu quero da vida, nem se a vida me quer."
Escreveu no papel em que a Letícia me deu as questões heeein, eu tenho o original huahuahua.
De todas as pessoas que eu já perguntei se conseguiam imaginar professores vivendo uma vida normal as únicas que disseram 'Não.' foram você e eu... É como eu disse lembra?
Como a gente discutiu hoje, se você for por tudo que quer pra a sua casa dentro dela só caberá se for uma mansão querida (rsrsrs).
Eu ainda acho que seja de propósito você comprar uma agenda daquele tamanho... bah que importa? Morro de vontade de saber se realmente tudo que é escrito lá você publica, mas acho que seria invasão de privacidade. Ah, Maldita curiosidade nordestina que peguei quando cheguei aqui, maldita.
Além de tudo queria que as pessoas pensassem que sou autônoma até demais... Mas pra ser sincera não digo que não importa o que as pessoas pensam, importa sim, só tento ignorar cada vez mais. Bem, a uma explicação pra isso que nós duas sabemos bem QUEM é. Bukowski.

Enfim, pra terminar, 'a' pergunta, você vai continuar postando aqui quando viajar pra Rússia? :)

Postagens mais visitadas deste blog

We are chimeras

This journey is over. That was a great chunk of my life. I have rented a garage and left a bunch of stuff behind. I shall come back to retrieve it, but will I want it all back, when I reopen those boxes, will I still need them? So I thought about this, and these are the transcripts of my thoughts:

I first step foot on this land as a teenager who denied the existence of the Home. The world was bound to be the Home, and I knew it, even then. I have always suffered from chronic curiosity.

We felt everything, we knew nothing, we toasted and danced, we slept on couches and had neck-pain the other day. I was present and took part in weddings, police investigations, births, fires, carbon monoxide poisoning and car accidents. I left my appendix here, I ran through the streets of a cold winter to catch an ambulance before they left to help a friend, I didn’t think about slipping on the ice and dying, not a single moment. I developed a nail polish habit, a skin care routine and depression as …

RIANNE (eu,ich, ja, I, yo), A COLONIZADORA.

Toda criança normal tem como lembrança normal algum parque ou algo extremamente colorido. A primeira lembrança que eu tenho é de um corredor de hotel, uma janela no fim. Depois... Perguntaram-me em New Jersey se o que eu falava era brasileiro ou espanhol, peguei a bicicleta, achei graça e ralei o joelho - não exatamente nessa ordem, mas nada que me impedisse de ir comprar comida chinesa em caixinha do outro lado da rua, eu sempre kept the creeps quanto à vendedora, ela era alta demais pra uma chinesa.
Foi nessa época que criei um certo trauma em relação a indianos, o acento indiano é um negócio a se discutir - parei de comer dunkin donuts. Era uma máfia, em todo Dunkin Donut e posto de gasolina só se trabalhava indiano.
Admito que só fazia ESL pra perder aula, mas o mundo inteiro precisava sentar em um teatro e ver a cara da Miss Rudek, quando eu, o Hupert (chinês), e a Katrina (mexicana) passamos a ser crianças sem línguas maternas: Havíamos aprendido duas ao mesmo tempo, com um empurr…

Формула хорошего врача

“Не ищите ответов”, - сказал он четко. Однако мне потребовалось несколько лет, чтобы понять эту фразу. Её произнёс профессор Философии и пациент отделения кардиологии. “Умейте задавать себе правильные вопросы”. Я на него смотрела и донца не могла понять смысл сказанного. В тот момент мне хотелось лишь выспаться, но с того дня я «допрашивала» себя чаще: зачем я год за годом, отдаю медицине лучшие годы своей жизни? И так уже шесть лет. Мы скоро, буквально через пару месяцев, будем врачами. Что же мне необходимо, какие профессиональные и человеческие качества я должна развивать, чтобы допустить себя к людям в худший момент их жизни? Оказывается, есть многое за пределами учебников. Задавая себе все время вопросы, я понимаю, что приближаюсь ближе и ближе к ответу. Дифференциальный диагноз, интерпретация анализов, написание истории болезней, правильно собранный анамнез — это те термины, которые мы слышим каждый день, которые мы за шесть лет должны уметь применять в пользу пациента. Дост…