Pular para o conteúdo principal

Dez coisas

A prisão branca que é uma sala de espera de médico realmente é coisa de fazer a pessoa mais higiênica roer as unhas de agonia. É uma selva branca, pessoas com olhos baixos, barulho de telefone. E então temos as revistas, e mesmo aquelas que - nunca - willingly compraríamos, é o melhor jeito de não ter uma ataque de ansiedade num ambiente tão podre. Ok, talvez eu só tenha um problema maior com ansiedade, principalmente quando a pílula da felicidade acabou. A primeira coisa notável é ver que todas as revistas falam da Crise, e que, definitivamente, eu não ligo pra isso. Pego uma edição da Revista Época de qualquer forma, do ano passado, e abro nessa página que a Sabrina Sato fala das coisas que todo homem deveria saber. Então pensando com os meus botões, resolvi debatê-las aqui, tentando ser o mais fiel possível ao primeiro pensamento que eu tive lendo pela primeira vez. Here we go.

1 - A primeira coisa pode ser os olhos, mas também olhamos suas partes baixas.

Hehehe amor... Não entrega o ouro!

2 - Adoramos ser a caça, mas vocês já não são os únicos caçadores.

Acho vulgar. Lugar de mulher é no tanque. Viva o machismo.

3 - Pendurar a calcinha no boxe é uma questão de praticidade. Só isso.

Grosseiro. Existe, normalmente, um lugar para se pôr roupa suja. A única função do box é abrir e fechar.

4 - O álcool nos torna ainda mais emotivas, choronas e propensas a… usar o celular.

OMG! Muito verdade.

5 - Malhar o cérebro masculino é tão importante quanto malhar o corpo.

É, mas e daí? Os caras ainda vão achar que ter um braço do tamanho de um tronco de árvore é mais importante. Na verdade, é feio e intimida. Eu já vi caras lindos e burros, digo, descartáveis.

6 - Ficamos ainda melhores com a idade, mais seguras, mais misteriosas.

Não sei, amor, você pretende ficar o resto da vida "disponível"?

7 - Gastamos fortunas no cabeleireiro e passamos horas nos arrumando para vocês notarem.

Na verdade é mais auto-satisfação, mesmo.

8 - Sabemos que sexo e amor podem ser tão diferentes quanto Osama e Obama.

Depende da linha de pensamento. Nem concordo.

9 - A morte do passarinho da vizinha e o final da novela são, sim, bons motivos para chorar.

Mas isso não quer dizer que futebol é uma droga, ou falar também de carro e mulher seja. Aliás, se existe uma coisa que mulher faz é falar de mulher, só que a maioria não admite.

10 - Não adianta ter ciúme das nossas amigas. Elas são cúmplices que ouvem as lamentações sobre vocês.

Tenha segurança o suficiente pra saber que não vai ganhar um par de chifres só porque vai haver uma "girls night out". Insegurança é boring to death.



Mas sério, assistir The Tudors e tentar não querer desistir de carreira, dinheiro e canudo pelo Johnathan Meyers é quase impossível. CUIDADO, material altamente atrativo (radioativo, han, han?).

Preguiça de escrever mais. É Domingo, for crying out loud.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

We are chimeras

This journey is over. That was a great chunk of my life. I have rented a garage and left a bunch of stuff behind. I shall come back to retrieve it, but will I want it all back, when I reopen those boxes, will I still need them? So I thought about this, and these are the transcripts of my thoughts:

I first step foot on this land as a teenager who denied the existence of the Home. The world was bound to be the Home, and I knew it, even then. I have always suffered from chronic curiosity.

We felt everything, we knew nothing, we toasted and danced, we slept on couches and had neck-pain the other day. I was present and took part in weddings, police investigations, births, fires, carbon monoxide poisoning and car accidents. I left my appendix here, I ran through the streets of a cold winter to catch an ambulance before they left to help a friend, I didn’t think about slipping on the ice and dying, not a single moment. I developed a nail polish habit, a skin care routine and depression as …

RIANNE (eu,ich, ja, I, yo), A COLONIZADORA.

Toda criança normal tem como lembrança normal algum parque ou algo extremamente colorido. A primeira lembrança que eu tenho é de um corredor de hotel, uma janela no fim. Depois... Perguntaram-me em New Jersey se o que eu falava era brasileiro ou espanhol, peguei a bicicleta, achei graça e ralei o joelho - não exatamente nessa ordem, mas nada que me impedisse de ir comprar comida chinesa em caixinha do outro lado da rua, eu sempre kept the creeps quanto à vendedora, ela era alta demais pra uma chinesa.
Foi nessa época que criei um certo trauma em relação a indianos, o acento indiano é um negócio a se discutir - parei de comer dunkin donuts. Era uma máfia, em todo Dunkin Donut e posto de gasolina só se trabalhava indiano.
Admito que só fazia ESL pra perder aula, mas o mundo inteiro precisava sentar em um teatro e ver a cara da Miss Rudek, quando eu, o Hupert (chinês), e a Katrina (mexicana) passamos a ser crianças sem línguas maternas: Havíamos aprendido duas ao mesmo tempo, com um empurr…

Metódica

Eu ri bastante quando entrei no Stuff White People Like e tinha um post sobre moleskines, que por acaso eu tenho, comprado na Suiça sem motivo algum, acho que porque já tinha ouvido falar sobre o valor histórico que eles tinham e como Modigliani tinha um. É realmente útil e lá eu congelei algumas idéias fixas, desenhei o Big Ben, a Torre Eiffel, tentei descrever coisas indiscritíveis mas de alguma forma, um dia o guardei na minha estante de livros e ele caiu no esquecimento, de forma que eu nunca mais escrevi nele.

Eu tenho esse problema que eu sou metódica, e vou logo antecipando que ser metódica não implica em ser organizada. Ser uma pessoa organizada exige um esforço, mas quando você é uma pessoa metódica não existe esforço, existe apenas o fardo, que é o esforço que se aproxima muito da obrigação, como se não existisse outra escolha. Ser metódico custa muito mais caro que ser organizado. O metódico precisa organizar os pares de meia em degradê, o organizado, precisa simplesmente o…