Pular para o conteúdo principal

Estado de espírito com precisão de casas decimais

Era o meu primeiro dia de inverno. Era o meu primeiro dia de Costa Leste. Era tudo novo e eu ia absorvendo as emoções e moldando um estado de espírito que deveria resistir ao frio, às nebrascas e observando atentamente os flocos de neve geométricos, a perfeição da natureza e tentando, nem que sob ordem judicial, me convencer de que, por que não, eu fazia parte daquela harmonia.

E tinha essa tampa canadense. E todas as crianças queriam saber quem eu era. Eu sou brasileira, oi, tudo bem, é meu primeiro dia na Fountain Woods. E tinha essa tampa canadense no chão, que insistia em aparecer debaixo de tanta neve e eu ignorei a nebrasca e tudo que existia de vivo e ficamos eu e ela, envolvidas em um desses momentos da infância que as emoções constituem as memórias e não as imagens. Guardei-a no bolso e peguei o ônibus da escola. O motorista queria saber sobre mim, entre mil papéis colados pelo ônibus com 330 "THINGS YOU CAN'T DO IN THE SCHOOL BUS: NO YELLING, NO... NO... NO...", existia a pessoa simpática. Por que ele se escondia? E ele tinha esse bigode e esse cabelo branco, usava sempre roupas velhas e eu não consiga me livrar da expressão do rosto dele.

A professora se impressionava porque a tabuada era algo que saía na urina pra mim. Era tudo tragável e o almoço estava ótimo, eu amava a perfeição social em que eu vivia, minha escola era pública, meu almoço era dado pelo governo e aquele lugar me fazia não querer ir pra casa. Eu tinha centenas de cursos para escolher fazer: chaveiros, costurar, hockey, futebol, música, grupo de leitura. I was fuckin dazzled.

Tinha o Hupert, o chinês e nós nos dávamos muito bem. O primeiro foi só a introdução do segundo e assim se seguiu, um superando o outro. Os dias.

Eu tinha aprendido que o capitalismo era a melhor coisa do mundo. E era. Em que outro lugar do mundo eles venderiam tudo por 99 cents?

Eu rodava por Cherry Hill, Riverside, Philadelphia, Trenton...

E eu era parte daquela geometria toda.

Eu não sei o que eu quero dizer, talvez eu esteja aqui desde a primeira linha tentando descrever o sentimetno que me envolvia quando eu vivia no melhor lugar do mundo e não sabia, mas eu sei que eu vou falhar e que ninguém vai entender. As emoções que remontam as lembranças são só minhas e infelizmente eu não sei convertê-las de neurônios para bits e jogar tudo aqui.

E gastei meu tempo tentando falar do indescritível.

De novo.

E meus dedos têm essa sensação nova quando eu largo o violino depois de tocar. Isso eu também não sei descrever, deve ser a música se fundindo, e Beethoven sabe como fazer isso acontecer.

Ontem... eu dormi sorrindo.

Foi um sorriso de adeus. De satisfação, de quem carimba uma fase da vida pela última vez. Então a Dolly começou a arranhar a porta e eu, comecei a rir da simplicidade que a vida tem quando se faz um esforço.

Quanta besteira pra se falar.

Pior que tem gente que lê e acha algum sentido. É, é, o sentido deve estar por aí.

ABRIL é o meu mês favorito.

E lá vou eu dar carona pros meus devaneios de novo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Формула хорошего врача

“Не ищите ответов”, - сказал он четко. Однако мне потребовалось несколько лет, чтобы понять эту фразу. Её произнёс профессор Философии и пациент отделения кардиологии. “Умейте задавать себе правильные вопросы”. Я на него смотрела и донца не могла понять смысл сказанного. В тот момент мне хотелось лишь выспаться, но с того дня я «допрашивала» себя чаще: зачем я год за годом, отдаю медицине лучшие годы своей жизни? И так уже шесть лет. Мы скоро, буквально через пару месяцев, будем врачами. Что же мне необходимо, какие профессиональные и человеческие качества я должна развивать, чтобы допустить себя к людям в худший момент их жизни? Оказывается, есть многое за пределами учебников. Задавая себе все время вопросы, я понимаю, что приближаюсь ближе и ближе к ответу. Дифференциальный диагноз, интерпретация анализов, написание истории болезней, правильно собранный анамнез — это те термины, которые мы слышим каждый день, которые мы за шесть лет должны уметь применять в пользу пациента. Дост…

RIANNE (eu,ich, ja, I, yo), A COLONIZADORA.

Toda criança normal tem como lembrança normal algum parque ou algo extremamente colorido. A primeira lembrança que eu tenho é de um corredor de hotel, uma janela no fim. Depois... Perguntaram-me em New Jersey se o que eu falava era brasileiro ou espanhol, peguei a bicicleta, achei graça e ralei o joelho - não exatamente nessa ordem, mas nada que me impedisse de ir comprar comida chinesa em caixinha do outro lado da rua, eu sempre kept the creeps quanto à vendedora, ela era alta demais pra uma chinesa.
Foi nessa época que criei um certo trauma em relação a indianos, o acento indiano é um negócio a se discutir - parei de comer dunkin donuts. Era uma máfia, em todo Dunkin Donut e posto de gasolina só se trabalhava indiano.
Admito que só fazia ESL pra perder aula, mas o mundo inteiro precisava sentar em um teatro e ver a cara da Miss Rudek, quando eu, o Hupert (chinês), e a Katrina (mexicana) passamos a ser crianças sem línguas maternas: Havíamos aprendido duas ao mesmo tempo, com um empurr…

Hoje joguei um tanto de coisa fora

Hoje joguei um tanto de coisas fora. Umas partes de mim que eu não queria mais. Aquelas folhas da história comidas por traças, que já não se lê, algum dia houve algo grandioso escrito aí - dos méritos, das quedas, em letra bonita, dourada.
Hoje eu joguei um tanto de coisa fora, mais porque sei exatamente do que preciso. Porque eu vivo de pessoas, não de coisas, e os primeiros – quero não muito longe, perto o suficiente.
Eu vou reciclar a minha vida inteira.
Mas vou te manter intacto, com os teus defeitos, as tuas manias, até o que me irrita, as tuas faltas de várias grandezas de caráter. Assim. Porque eu te encontrei assim: defeituoso, antes de tudo vivo, meu, eu - tua.
Hoje eu joguei um tanto de coisa fora. Hoje durmo em paz.