quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Frequentemente

Frequente, muito frequentemente
Te olhei por dois segundos
acreditei em você, em nós
e logo desacreditei
larguei, saí a viver
respirei.

Frequente, mais que frequentemente
deixei o dia passar
sem a tua imagem no fundo dos meus
pensamentos
deixei escorrer entre os dedos
os grãos de areia feitos de
ti
destruí (teus castelos)
cresci.

Frenquente, tão frequentemente
Quis te abraçar,
só pra te largar e continuar caminhando
essa linha reta que me leva
longe
só só por querer
um outro jeito de me querer
bem (melhor)

Frequente, demasiado frequentemente
Quis a mim
mais do que quis a ti
e já não te quero mais
nem aqui nem ali nem cá nem acolá
nem perto nem ao lado
por mim distante já basta
sem você já me abasteço

Todo o tempo
O tempo inteiro.
ligeiro.

Nenhum comentário: