Pular para o conteúdo principal

RIANNE (eu,ich, ja, I, yo), A COLONIZADORA.

Toda criança normal tem como lembrança normal algum parque ou algo extremamente colorido. A primeira lembrança que eu tenho é de um corredor de hotel, uma janela no fim. Depois... Perguntaram-me em New Jersey se o que eu falava era brasileiro ou espanhol, peguei a bicicleta, achei graça e ralei o joelho - não exatamente nessa ordem, mas nada que me impedisse de ir comprar comida chinesa em caixinha do outro lado da rua, eu sempre kept the creeps quanto à vendedora, ela era alta demais pra uma chinesa.
Foi nessa época que criei um certo trauma em relação a indianos, o acento indiano é um negócio a se discutir - parei de comer dunkin donuts. Era uma máfia, em todo Dunkin Donut e posto de gasolina só se trabalhava indiano.
Admito que só fazia ESL pra perder aula, mas o mundo inteiro precisava sentar em um teatro e ver a cara da Miss Rudek, quando eu, o Hupert (chinês), e a Katrina (mexicana) passamos a ser crianças sem línguas maternas: Havíamos aprendido duas ao mesmo tempo, com um empurrãozinho da Miss Rudek por não nos permitir fazer prova já que seria exigir demais. Nunca discordei.
Na Florida eu comia ovo cozido todo dia, santo metabolismo o meu que segurou o colesterol. Quando eu voltava a terra da aquarela, no avião uma mulher elogiou meu acento, depois a expliquei sobre New Jersey, ela disse que gostava do meu cabelo e ficou por isso mesmo em um vôo de 13 horas - eu falava norte-americano. A aeromoça era tão neutra quanto a Suiça e só falava inglês, just a water,yes?...
Na conexão com a equipe de bordo mais neutra com aquele sotaque eternamente gripado de São Paulo. Foi quando eu já pegara a outra conexão e agora o ar falava em 31oC, do outro lado do continente meu nome médio era Perigloso.
Agora eu ja era trilingüe... Foi quando eu voltei a Florida-40oC e comprei um cd dos Sex Pistols. Um cara perguntou as horas e eu respondi e ele perguntou se eu era brasileira, e se sim, porque eu gostava de Sex Pistols, só respondi que eram 8 o'clock. Entendi o episódio demais, já que eu andava com uma blusa evidenciando a minha brasileirice.
Me perdi no Picadilli Circus, em Venezia, Madrid, e Windsor (onde eu corri feito um jumento procurando a entrada do castelo) e outros buracos europeus - é assim que se descobre que a Torre Eiffel só é para bobos. Peguei como ponto de referência em Luzern o lago (o lago fica no meio da cidade) - me perdi lá também, e no fim do dia, eu havia ganhado uma experiência estúpida e comprado um moleskine. Mas não se pense que se cansa da Suiça assim. Você nunca consegue ter demais da Suiça. Principalmente quando os primeiros suiços que você conhece estavam na porta do seu hotel com uns drinks simpáticos e você arranhava o alemão ainda, e foi nesse dia que eu descobri que se o brasileiro já achava que alemão era agressivo, precisavam ouvir o acento suiço. Pessoas realmente simpáticas que fazem valer a viagem.
Pararam o trânsito de Monaco só pra eu atravessar. Simpático, pensei. Atravessei com o bowl do guarda e fui tirar foto de "girassóis de Van Gogh" do outro lado da rua.
Outro dia um italiano pediu barra de cereal de chocolate no avião só pra me dar, achei simpático e disse 'prego' (meus conhecimentosem italiano se resumem em 'prego' 'excusa' e 'senza champingnon').
Quando eu tinha 11 anos minha professora de Geografia me disse pra aprender mandarim e acumular uma fortuna. Cara professora, ofereça um daqueles produtos de plástico que vende no centro escrito Made in China a uma ocidental, mas não ofereça a China a uma ocidental, porque no máximo, eu só vou relacionar a sushi, mesmo sabendo que isso é no Japão - o que eu aprendi é que a ignorância as vezes evita situações chatas. Eu ainda sou só a ocidental que come sushi sem nenhum interesse por mandarim.
A primeira vez que eu falei alemão com um austríaco ele não me entendeu - ele falava ratonês.
Com um pé aqui, outro em New Jersey, parentes da Europa, nacionalidade é um conceito relativo hoje em dia, por isso normalmente passo minhas férias no Piauí.
Uma biografia um tanto quanto fragmentada aí pelo mundo, but it's just a way to stay alive, boy.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

We are chimeras

This journey is over. That was a great chunk of my life. I have rented a garage and left a bunch of stuff behind. I shall come back to retrieve it, but will I want it all back, when I reopen those boxes, will I still need them? So I thought about this, and these are the transcripts of my thoughts:

I first step foot on this land as a teenager who denied the existence of the Home. The world was bound to be the Home, and I knew it, even then. I have always suffered from chronic curiosity.

We felt everything, we knew nothing, we toasted and danced, we slept on couches and had neck-pain the other day. I was present and took part in weddings, police investigations, births, fires, carbon monoxide poisoning and car accidents. I left my appendix here, I ran through the streets of a cold winter to catch an ambulance before they left to help a friend, I didn’t think about slipping on the ice and dying, not a single moment. I developed a nail polish habit, a skin care routine and depression as …

Формула хорошего врача

“Не ищите ответов”, - сказал он четко. Однако мне потребовалось несколько лет, чтобы понять эту фразу. Её произнёс профессор Философии и пациент отделения кардиологии. “Умейте задавать себе правильные вопросы”. Я на него смотрела и донца не могла понять смысл сказанного. В тот момент мне хотелось лишь выспаться, но с того дня я «допрашивала» себя чаще: зачем я год за годом, отдаю медицине лучшие годы своей жизни? И так уже шесть лет. Мы скоро, буквально через пару месяцев, будем врачами. Что же мне необходимо, какие профессиональные и человеческие качества я должна развивать, чтобы допустить себя к людям в худший момент их жизни? Оказывается, есть многое за пределами учебников. Задавая себе все время вопросы, я понимаю, что приближаюсь ближе и ближе к ответу. Дифференциальный диагноз, интерпретация анализов, написание истории болезней, правильно собранный анамнез — это те термины, которые мы слышим каждый день, которые мы за шесть лет должны уметь применять в пользу пациента. Дост…