Pular para o conteúdo principal

A barba branca e todas as coisas relacionadas a ela.

Venho por meio deste texto tentar dissetir sobre a liberdade sem citar Raul Seixas ("viva a sociedade alternativa").
A liberdade é um direito expresso na constituição, aliás, vou além: nos direitos humanos (sim! Porque até árabes e americanos postos lado a lado são humanos!). Sonhou um dia, porém, o poeta que achou que a liberdade, assim como o Paraíso, não tinha suas barreiras e estava alí só esperando a preguiça e a indiferença se despedirem, para ela finalmente entrar em cena. Não, não é bem assim, poeta.
É bonita, sim, a forma de como a nossa democracia quer cuidar de nós, de como os nossos representantes democráticos vestem uma barba branca e velha cheia de idéias ultrapassadas.
Não fume! Não beba! Use cinto de segurança! E como se não bastasse, obedeça a todos os tabus da sua própria sociedade. Liberdade realmente é uma palavra difícil.
O governante democrático deveria saber que o homem vai continuar fumando, bebendo e morrendo no trânsito - pois é a sua sina praticar o proibido (lê-se Gênesis).
Ao governante democrático que interessar possa, digo: o colesterol alto que leva a ataques cardíacos mata mais que qualquer das proibições anteriores. É apenas uma questão de sorte, ou a trágica falta dela, como se acaba morrendo.
Aos humanos: a indiferença é a melhor forma de protesto.
A todos nós: ainda há tempo para comprar uma ilha em Dubai, fazer das próprias idéias fixas as próprias leis, viver sem carteirinha de hipócrita oficial, ter uma vida sem tantos problemas quanto um livro de matemática e finalmente, sem nenhuma interferência da barba branca.

Nota ao leitor: Resolvi protestar porque acabei de levar um choque dos brabos. Não sei se isso me acordou, mas definitivamente ativou uma área bem inacessível do meu cérebro: a revolucionária. Porque, acredite, até escritor de classe média é hipócrita. E por ser da classe média, sonhei um dia eu que quis uma ilha em Dubai! O poeta é um mentiroso (o problema está na verdade no fato de eu ser mais escritora integralmente, o que me sobra pouco tempo para ser hipócrita, só quando levo choques).
Minto, na verdade é a minha arianidade que me faz odiar injustiças, mas me faz desistir de lutar por elas porque um minuto depois já estou em outro projeto.
Está na hora de ouvir os meus jingles de época de eleição, lá vou eu, e te deixo com todas as injustiças do mundo para refletir, mesmo sabendo que tu vais acabar em Dubai.
Porque Deus me fez ariana e isso também é culpa dele, e apesar de atéia, eu sei que alguém de barba branca tá matando pra ser ele!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

We are chimeras

This journey is over. That was a great chunk of my life. I have rented a garage and left a bunch of stuff behind. I shall come back to retrieve it, but will I want it all back, when I reopen those boxes, will I still need them? So I thought about this, and these are the transcripts of my thoughts:

I first step foot on this land as a teenager who denied the existence of the Home. The world was bound to be the Home, and I knew it, even then. I have always suffered from chronic curiosity.

We felt everything, we knew nothing, we toasted and danced, we slept on couches and had neck-pain the other day. I was present and took part in weddings, police investigations, births, fires, carbon monoxide poisoning and car accidents. I left my appendix here, I ran through the streets of a cold winter to catch an ambulance before they left to help a friend, I didn’t think about slipping on the ice and dying, not a single moment. I developed a nail polish habit, a skin care routine and depression as …

RIANNE (eu,ich, ja, I, yo), A COLONIZADORA.

Toda criança normal tem como lembrança normal algum parque ou algo extremamente colorido. A primeira lembrança que eu tenho é de um corredor de hotel, uma janela no fim. Depois... Perguntaram-me em New Jersey se o que eu falava era brasileiro ou espanhol, peguei a bicicleta, achei graça e ralei o joelho - não exatamente nessa ordem, mas nada que me impedisse de ir comprar comida chinesa em caixinha do outro lado da rua, eu sempre kept the creeps quanto à vendedora, ela era alta demais pra uma chinesa.
Foi nessa época que criei um certo trauma em relação a indianos, o acento indiano é um negócio a se discutir - parei de comer dunkin donuts. Era uma máfia, em todo Dunkin Donut e posto de gasolina só se trabalhava indiano.
Admito que só fazia ESL pra perder aula, mas o mundo inteiro precisava sentar em um teatro e ver a cara da Miss Rudek, quando eu, o Hupert (chinês), e a Katrina (mexicana) passamos a ser crianças sem línguas maternas: Havíamos aprendido duas ao mesmo tempo, com um empurr…

Metódica

Eu ri bastante quando entrei no Stuff White People Like e tinha um post sobre moleskines, que por acaso eu tenho, comprado na Suiça sem motivo algum, acho que porque já tinha ouvido falar sobre o valor histórico que eles tinham e como Modigliani tinha um. É realmente útil e lá eu congelei algumas idéias fixas, desenhei o Big Ben, a Torre Eiffel, tentei descrever coisas indiscritíveis mas de alguma forma, um dia o guardei na minha estante de livros e ele caiu no esquecimento, de forma que eu nunca mais escrevi nele.

Eu tenho esse problema que eu sou metódica, e vou logo antecipando que ser metódica não implica em ser organizada. Ser uma pessoa organizada exige um esforço, mas quando você é uma pessoa metódica não existe esforço, existe apenas o fardo, que é o esforço que se aproxima muito da obrigação, como se não existisse outra escolha. Ser metódico custa muito mais caro que ser organizado. O metódico precisa organizar os pares de meia em degradê, o organizado, precisa simplesmente o…