quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Eu me vou a Pasárgada no amanhecerl, ou Canção do amanhecer.


Esquenta. Esquenta em mim. Filtra a boemia através de quem quer ser atravessado por ela. Atravessa o salão. Senta comigo. Bebe logo, senão esquenta. Mas vai sem pressa, vai na malemolência. Aumenta o som. Saideira. Agora já ninguém quer sair. Perde a identidade, refaz-te dos pés ao pescoço, deixa a cabeça pra lá. E quando essa música acabar, já vai ser alvorada, e vai ser a minha hora de ir-me daqui. E ir-me-ei sem permissão, mas antes disso te deixo sem chão. E enquanto enquanto esquento, espero eletivamente a hora de me amanhecer, e aí já não vou estar. Vão ser notas no ar, arranjos, rimas, saxofones  e dissonância. 
E aí já não vou estar. Vou nos pontuar.

Nenhum comentário: